Logo Super Vestibular
  1. Home
  2. Dicas
  3. Os limites e prejuízos da greve na educação

Os limites e prejuízos da greve na educação

Mesmo previsto em lei, greve na educação acaba desconsiderando prejuízos e consequências da paralisação para os estudantes.

Publicado por Wanja Borges
Greve na educação divide opiniões de trabalhadores e da população*
Greve na educação divide opiniões de trabalhadores e da população*

Deflagrado normalmente para reivindicar a garantia dos direitos de uma determinada categoria, como melhores condições de trabalho e aumento de salário, o movimento paredista tem sido motivo de polêmica nos últimos anos. Iniciada no Brasil ainda no século XIX e reforçada no começo do século XX, com a Greve Geral de 1917, essa luta de classes vem dividindo opiniões dos trabalhadores e da população, principalmente em relação aos seus limites e prejuízos. 

Em 2012, essa situação se agravou, ainda mais, com a greve do ensino público federal. Com adesão de mais de 95% das instituições federais de ensino superior, a paralisação foi considerada a maior já realizada no país. O movimento, que teve início no dia 17 de maio, reivindicou a reestruturação da carreira dos docentes e o reajuste salarial dos servidores. Encerrada somente 120 dias depois, em grande parte das instituições, a greve afetou quase 80 universidades e mais de 100 mil estudantes. 

Não resta dúvida de que a educação interfere diretamente na formação humana e na construção do sujeito e, por isso, nada mais justo do que profissionais valorizados e recursos financeiros suficientes para investimento em programas da área. A questão é que mesmo legal, o movimento acaba desconsiderando outros aspectos que também são de direito fundamental e de cunho social, como a situação dos estudantes e de toda a população envolvida direta ou indiretamente. 

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Nesses quatro meses, o calendário acadêmico foi paralisado e as aulas foram suspensas, o que causou um grande atraso no semestre letivo e, consequentemente, atropelamento do conteúdo pendente durante sua reposição. Além disso, todo o calendário teve de ser reorganizado. Dessa forma, mesmo sem perda de semestre, os estudantes foram penalizados com a adaptação depreciada da metodologia de ensino e reposição das aulas no período de férias.

Nesse caso, os formandos também foram prejudicados. Com a suspensão das aulas, eles se viram obrigados a reprogramar suas comemorações. O período para festas foi substituído pela recuperação do conteúdo perdido. Como os técnico-administrativos também deflagraram greve, atrasos na emissão das notas finais e, consequentemente, do diploma também foram notificados. Além disso, o calendário seguinte, na maioria das instituições, também sofreu significativo atraso. 

Não há dúvidas de que muito ainda precisa ser feito para melhorar a educação brasileira, contudo, medidas alternativas, que não prejudiquem os jovens estudantes, também devem ser estudadas diuturnamente. Lutar pela garantia de um direito, violando o direito de outrem, acaba soando como contradição, por isso, mais do que garantir a realização de processos seletivos ou reposição do prejuízo, não seria melhor preservar o presente e garantir o futuro desses estudantes? Fica a pergunta. Fica a reflexão. 

 

*Créditos da Imagem
Atomazul http://www.shutterstock.com/gallery-602539p1.html?cr=00&pl=edit-00
Shutterstock.com http://www.shutterstock.com/?cr=00&pl=edit-00

 

Veja também

Resultado dos pedidos de isenção do Vestibular 2021 da UERJ é divulgado
As solicitações foram recebidas no mês de março, quando o calendário da seletiva ainda não havia sido suspenso por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

ITA prorroga inscrições para Vestibular 2021
Primeira fase está marcada para dia 20 de novembro e segunda, para dias 8 e 9 de dezembro

Famerp (SP) dá início ao prazo de inscrições do Vestibular 2021
Os interessados podem se inscrever até o dia 23 de novembro e a taxa custa R$ 165.  Oferta é de 160 vagas.

Após suspensão, Uece divulga novas datas para matrícula do Vestibular 2020/1
Cronograma do processo seletivo estava suspenso desde março. Matrículas serão feitas pela internet, ainda em setembro.

UFJF anuncia datas das provas do Pism 2021
Provas serão aplicadas em fevereiro e março, e universidade implantará medidas de prevenção ao coronavírus.

Unifesp altera data das inscrições do Vestibular Misto 2021
Inscrições poderão ser feitas agora de 13 de outubro a 4 de dezembro. Edital sairá dia 9 de outubro.

Unifesspa está com inscrições abertas para Vestibular 2020
Processo Seletivo Especial oferece 315 vagas em cursos ministrados em sete cidades paraenses

IFG recebe inscrições para Vestibular 2020/2 via Enem
Processo seletivo oferece 465 vagas em 13 cursos de graduação ministrados em Goiânia e outras quatro cidades do interior

Abertas inscrições para bolsas remanescentes do ProUni 2020/2
Interessados nas 90 mil vagas devem fazer cadastro até dia 30 de setembro. É obrigatório ter feito o Enem a partir de 2010.

UEL abre inscrições para Vestibular 2021
Concorrentes às mais de 2,5 mil vagas farão provas somente no ano que vem, no dia 14 de março

Unipar está com inscrições abertas para Vestibular 2021 de Medicina
Instituição paranaense oferece 110 vagas. Curso é ministrado no campus situado na cidade de Umuarama.

Abertas inscrições para Vestibular 2021 de Medicina e Odontologia da SL Mandic (SP)
Interessados nas 310 vagas farão provas on-line em 25 de outubro. Previsão é que lista de aprovados saia no dia 30 seguinte.