Logo Super Vestibular
  1. Home
  2. Enem
  3. Dicas para o Enem
  4. Mitos e verdades sobre o Enem semestral

Mitos e verdades sobre o Enem semestral

Proposta em 2010, ideia de implementar duas edições do Enem por ano é adiada pela quarta vez.

Publicado por Wanja Borges
Edição semestral do Enem deverá ser aplicada em 2014
Edição semestral do Enem deverá ser aplicada em 2014

Considerado o maior exame do Brasil e o segundo do mundo, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) ficou ainda mais audacioso, em 2010, quando foi cogitada a aplicação semestral do processo seletivo. Defendido com veemência pelo então ministro da educação, Fernando Haddad, o novo formato do Exame foi proposto como meio de substituir os vestibulares de inverno aplicados pelas universidades brasileiras. 

Em decorrência do atraso nas negociações com o Tribunal de Contas da União (TCU) e com a Controladoria-Geral da União (CGU) sobre a contratação de novas empresas para coordenar o Exame, não foi possível aplicar o Enem no primeiro semestre de 2010. Neste sentido, a decisão foi repassada para o governo seguinte e coube à presidente Dilma Rousseff definir se o Exame contaria, ou não, com duas edições. 

Em 2011, a Portaria nº 110, de 18 de maio, foi publicada no Diário Oficial da União determinando que, a partir de 2012, o Enem seria aplicado, pelo menos, em duas edições por ano. O documento também determinava a aplicação da primeira edição semestral do processo seletivo nos dias 28 e 29 de abril, contudo, tendo a sobrecarga das estruturas logísticas como justificativa, o Ministério da Educação decidiu cancelar a portaria. 

Pouco tempo depois, a adoção da medida foi confirmada oficialmente pela presidente, mas com prorrogação para 2013. Todavia, a decisão foi descartada mais uma vez com a alegação de que não existem condições técnicas suficientes para garantir a realização dos dois testes. O alto custo do processo seletivo também foi apontado como um dos fatores nocivos à aplicação da medida. 

Atualidade

A possibilidade voltou a ser cogitada no início de 2015 pelo ministro da Educação, Cid Gomes, que ficou apenas 76 dias no cargo. Nesse período, ele também anunciou uma possível aplicação on-line do Exame para simplificar a logística e reduzir os custos. Além de prever o agendamento das provas, que seriam aplicadas mais de uma vez por ano em locais credenciados, o novo formato contaria com cerca de 8 mil questões por área de conhecimento, que seriam escolhidas aleatoriamente.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Diante disso, duas consultas públicas sobre o Enem foram realizadas entre os meses de janeiro e março para embasar os estudos do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) sobre a migração do formato físico para o digital. A primeira registrou 45.704 sugestões e a segunda recebeu 36.582 contribuições da sociedade sobre a ampliação do banco de itens, o aprimoramento da logística e segurança e outros assuntos relacionados à aplicação da prova.

Futuro

No início de abril, o secretário executivo do MEC, Luiz Cláudio Costa, afirmou que o órgão irá manter os planos de digitalizar o Exame, mas que a realização de versões online e/ou semestral não será viável em menos de dois anos, em decorrência da dificuldade de se ter um número de questões suficientes para o novo modelo e da necessidade de tempo e investimentos. Costa ressaltou, ainda, que os treineiros devem ser os primeiros a experimentar o novo sistema.

Grande parte da sociedade acadêmica defende a iniciativa de realizar dois testes anuais como uma forma de diluir as tensões dos estudantes, aumentar as chances de aprovação dos candidatos e reduzir as falhas de organização do processo seletivo, que nos últimos anos tomou proporções inimagináveis. A pergunta que fica é: essa ideia realmente vai sair do papel ou será adiada mais uma vez? O jeito é pagar para ver.

Veja também

Inep informa datas das provas do Enem 2020
Notas do exame educacional podem ser usadas para ingressar em cursos superiores

Faculdade Albert Einstein adia provas do Vestibular 2020/2 de Enfermagem
Contudo, as inscrições seguem aberta e serão encerradas em até 15 dias anteriores à nova data das provas, ainda a ser divulgada.

Acafe (SC) solta resultado do Vestibular de Inverno 2020
O processo seletivo desta edição não foi presencial por causa da pandemia do coronavírus. Os candidatos somente foram avaliados pela internet.

Coronavírus: UFT cancela Vestibular 2020/2
Apesar do cancelamento do Vestibular 2020/2, a UFT está com inscrições abertas para o preenchimento de vagas por meio do SiSU, até a próxima sexta-feira, dia 10.

São Paulo: inscrições para Vestibular 2020/2 das Fatecs começam hoje (8)
Por causa da pandemia do coronavírus, candidatos serão avaliados por análise de notas do histórico escolar

MEC abre prazo para consulta de bolsas do ProUni 2020/2
Para participar do programa, é necessário ter feito o Enem 2019. Inscrições começam dia 14 de julho.

Unicamp encerra prazo para pedir isenção de taxa do Vestibular 2021
Conforme cronograma, lista com nomes dos contemplados com a isenção da taxa será divulgada no dia 27 de julho

Unemat não fará Vestibular 2020/2 e selecionará via Enem
A Unemat utilizará as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) das edições de 2017, 2018 e 2019 ao invés do seu tradicional vestibular.

Estão abertas as inscrições do Vestibulinho 2020/2 das Etecs
Interessados em participar podem se inscrever até o dia 21 de julho e a forma de seleção será por meio de análise do histórico escolar.

Inscrições para SiSU 2020/2 já podem ser feitas
Nesta edição, são oferecidas 51.800 vagas em 57 instituições públicas de ensino superior

Saiba como são realizados vestibulares na pandemia do coronavírus
Enquanto algumas instituições resolveram usar notas do Enem, outras criaram vestibulares pela internet

UniRV de Goianésia libera resultado do Vestibular 2020/2 de Medicina
Selecionados para as 60 vagas devem fazer registro acadêmico de amanhã (7) até a próxima quinta-feira, 9 de julho